A magia do ibope

02/07/2007

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Sabemos que ibope não analisa qualidade dos programas, mas sim o que a população em geral gosta de assistir em frente à telinha. Pois muito bem: a Globo conseguiu saturar o telespectador ao dizer como verdade que tudo o que está entre o céu e a terra traz ibope. Como? "Alma gêmea", "O profeta", "Dom" e outras atrações dominaram a telinha nos últimos anos e eis o grito de misericórdia: CHEGA!

Há alguns anos, Elizabeth Jhin trabalha a sinopse de "Eterna magia" e o resultado de tanto esforço não está sendo nada satisfatório: queda no ibope das 18h, que implicou diretamente na reformulação da trama. As bruxarias foram quase que abolidas do enredo, passaram-se alguns anos na história, a abertura mudou (tiraram o sapateado, o fundo preto tornou-se um misto de luzes infernais - credo! - o coração do logo está mais vermelho que maçã do amor, Sidney Magal canta a música de abertura e agora, cenas do triângulo Eva, Conrado e Nina aparecem "sutilmente" para valorizar o eixo principal). Convenhamos, até os cenários escuros tornaram-se mais claros, mas esse conjunto de fatores ainda não foi decisivo para os telespectadores assistirem ao folhetim - foi decisivo somente para o atraso na entrega dos capítulos.

Comentários na emissora carioca é de que Walther Negrão está agilizando sua próxima novela, "Milagres do amor", que muito provavelmente, manterá a "época" no horário. Mas... se "Eterna magia" for encurtada, a próxima novela das seis também deverá ser, visto que Negrão não anda muito bem sucedido numa novela ultimamente - exceção de "A casa das sete mulheres", escrita com Maria Adelaide Amaral - e, portanto, as chances do ibope continuar baixo no fim da tarde estão demasiado altas!!!

Mudando de assunto...

Sábado, "Zorra Total" fez um especial em comemoração aos seus 401 programas. Tudo começou quando Márcia (Maria Clara Gueiros) tenta convencer seu marido, Leozinho (Nelson Freitas Jr.) a acreditar que ele não estava num vuco vuco e sim, no meio do programa da Globo. Grandes nomes da TV brasileira (Lima Duarte, Christiane Torloni, Rodrigo Santoro...) apareceram num telão da casa de Márcia dizendo que se divertem aos sábados com esses nomes do humor brasileiro. Convenhamos que os humorísticos ultimamente andam sem graça. Os quadros do Zorra são previsíveis, mas vale notar que o programa atinge números consideráveis e seus bordões fazem parte do cotidiano. Tudo certo, homenagem feita, mas... Tom Cavalcante fez parte do elenco e não apareceu entre os quadros que fizeram sucesso. Acredito que a direção da Globo ignorou a sua participação na história do programa.