Achei o "Na moral" um programa frio

08/07/2012

Foto: Na moral/TV Globo
Foto: Na moral/TV Globo

Com um bom tema na estreia, o alardeado programa do Pedro Bial resolveu dar as caras. Porém, uma discussão rasa não justificou a presença de vários elementos na atração. A figura do DJ foi uma das mais criticadas e com razão, pois deveria ser melhor explorada. A presença de Alexandre Pires só teve importância por conta do episódio de um clipe que o cantor fez e pelo qual foi processado, pois as músicas eram tocadas por algum sonoplasta e não por ele. Se é assim, até eu solto o som!

Alguns comentários que vi sobre a atração também dizem respeito a encenação de casos da vida real, num momento tipo "Hora da verdade" da Márcia na Band. Duas histórias foram apresentadas e isso, ao invés de contribuir na discussão proposta, apenas atrapalhou. Quando o assunto tava ficando bom entre o apresentador e um dos convidados, cortes na edição rompiam qualquer possibilidade de um entendimento maior sobre a temática.

Na moral, o que podemos tirar do programa do Bial é que se trata de uma atração onde um tema é proposto no intuito de fomentar a nossa reflexão. Mas o tempo de arte do programa impede um aprofundamento das questões que propõe.

Mudando de assunto: Interessante notar que Gilberto Braga e Ricardo Linhares, autores de "Insensato coração" e "Paraíso tropical" por um instante estarão supervisores de novelas das seis e das sete ao mesmo tempo. Gosto quando algumas coincidências dão as caras. Outra que volta e meia acontece é a presença de Walcyr Carrasco com trama inédita e no VPVD. Aliás, o autor deve escrever a nova novela das 21h. Dizem que a trama vai girar num hospital. Eu já vi ele no twitter falando sobre "Grey's anatomy"...