Ah, se eu editasse...

20/06/2011

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Quem nunca teve a vontade de editar um programa de TV? Nossa! Imagina a felicidade de milhões de fãs de televisão se estivessem diante de um arquivo tipo o da Globo, Record ou SBT com a oportunidade de realizar um trabalho de edição de algo, seja um clipe ou um documentário. Isso não tem dinheiro que pague!

Há dois sábados, o SBT exibiu em seu "Festival 30 anos" um dos mais aguardados programas pelos fãs da TV do tio Sílvio: o especial sobre novelas. Quem assistiu, teve momentos de muita emoção. No meu caso, rever "Carrossel", "Chiquititas", "Éramos seis" e a trilogia das Marias foi fantástico! E como nesses últimos tempos as coisas não andam das mais tranquilas na minha vida pessoal, posso dizer que finalmente estou retornando a um padrão outrora abandonado no quesito "coisas que gosto". Tá, nem eu entendi direito porque escrevi isso, mas tudo bem.

Voltemos ao "Festival 30 anos". Sabe aquele gostinho de quero mais? Ai, eu quero mais! E sabe aquela raiva de quem não é chamado pra editar? Ai, que raiva! Poxa, o mínimo que tinham que ter feito era dividir entre novelas brasileiras e novelas estrangeiras. Muita história pra contar, cara! Eu tava louco pra assistir as tosquices da década de 1980 como "Jerônimo" e "Jogo do amor". Ainda tinham as novelas do Walcyr Carrasco, "Cortina de vidro" e "Fascinação" que não apareceram. Sem contar que podiam ter citado o que exibiram da Manchete.

Já no ramo das novelas latinas... A "Tarde de amor" passou em branco, né? Será que só eu assistia as maldades do Inácio Aguirre impedindo o amor entre Luísa e Luís Angel em "Sigo te amando"? Sem contar trocentas novelas infantis que nem sucesso fizeram como "Amy Winehouse, a menina da lagoa azul" e "Alegrifes e rabujos"...

O programa foi ótimo, mas podia ter sido dividido em duas partes, com temáticas, lembrando aberturas... Poderia ter sido bem melhor! Queria eu trabalhar na edição do SBT...