América - Um balanço geral

02/11/2005

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Trama inicial - Foi tumultuada, lembrava "O Clone" e o par romântico não convencia.

Trama intermediária - Deu o que falar. Eram quatro novelas numa só: Miami, RJ, Boiadeiros e a Vila Isabel.

Trama final - Valeu torcer pelo casal Glauco (Edson Celulari) e Lurdinha (Cléo Pires) e se divertir com as viagens da Nina (Cissa Guimarães). Mas, se a advogada viajou na maionese do começo ao fim, a autora pirou na batatinha com o coma de Tião (Murilo Benício) e o retorno de Sol (Deborah Secco) à "América".

Abertura - Órfãos do Paraíso, tema da primeira, foi cruel. "Soy loco por ti, América" alegrou um pouco. Mas o Tião aparecia mais na abertura que a Sol, que era quem realmente sonhava com a "América".

MELHORES E PIORES

Melhores atrizes: Cléo Pires e Juliana Paes - As beldades provaram que não eram apenas lindos rostinhos na TV. Principalmente a Cléo, que teve maior pressão por ser filha da Glória Pires e do Fábio Júnior.

Melhores atores: Mateus Nastergale (o sobrenome tá errado, eu sei) e Roberto Bonfim - O Carreirinha foi "o cara" e o Jota convincente.

Piores atrizes: Cláudia Jimenez e Betty Faria - Dona Consuelo, como boa mexicana, precisou de Pimenta para acompanhá-la.

Piores atores: Anderson Müller e Rodrigo Hilbert - Um narrador de rodeio que não tinha nada a ver e um Murilinho que usava o crachá da Globo só porque namora a Fernanda Lima.

Foi mal:

- Do RJ, compre a passagem para Boiadeiros, pegue um ônibus até SP. De lá, viaje pela TAM até Ciudad del México, atravesse o deserto, esconda-se da imigração até chegar em Miami para dançar na Ocean Drive ao som de "Chiquita, I love, I love you!". Se isso não acontecesse de verdade, não acreditaria que existisse.

- Já falei do coma do Tião, né? Só esqueci do navio da Sol.

- Jayme Monjardim saiu da novela logo de cara.

Foi bom:

- Falar sobre pessoas com deficiência visual, embora as lições de moral de Jatobá (Marcos Frota), os versinhos do Gabrielzinho e o programa do Dudu tivessem sido a gota d'água!

- Minha conterrânea, Irene (Daniela Escobar), em um grande momento na TV.

- "Oi, tio!"

Convenhamos que não valeu por um cascudo!