And the Troféu Imprensa goes to...

10/03/2008

Logotipo do programa de televisão
Logotipo do programa de televisão

Uma semana após a entrega do Oscar, Sílvio Santos exibiu a premiação do "Troféu imprensa" no horário destinado ao "Qual é a música?". Completando 50 anos, a premiação reconhece, em diversas categorias, os melhores do ano anterior. Porém, o destaque do programa não foram tanto os indicados, mas sim os comentários e a descontração do apresentador.

Diferentemente do ano passado, este ano foram apenas três os que concorriam em cada categoria (em 2006 e 2007 foram quatro). Após a apresentação dos clipes, cinco jornalistas eram convidados a dar seu parecer e o voto. E foram nessas ocasiões que o programa se tornou interessante. Sílvio destacou Antônio Guerreiro, citando várias vezes que ele era o novo contratado do SBT para o "Aqui agora". A presença do "Pânico na TV" também rendeu ótimas situações e, durante a conversa, o apresentador salientou que a Samambaia já havia gravado o "Nada além da verdade".

Um certo ar de galmour também se instaurou no estúdio com belas palavras de Tony Ramos, em agradecimento ao prêmio de melhor ator nas atuações em "Laços de família" e "As filhas da mãe". As estatuetas estavam guardadas porque a Globo não costumava liberar seus contratados para receber o prêmio. E, como alfinetada, o dono do Baú comentou que a emissora "temia" que o SBT cobrisse propostas. Além disso, brincou que essas propostas seriam feitas somente nos bastidores e nunca ao vivo. Na presença da atriz Giulia Gam, por exemplo, outras alfinetadas, dizendo que esperava representações globais para o Teleton.

Eu poderia descrever outras situações do programa, mas reservo, para concluir, a escolha das novelas. Leão Lobo, por exemplo, detonou "Duas caras". As melhores de 2007 foram "Paraíso tropical" e "Vidas opostas". Ano passado, nenhuma novela da Record concorreu. Assim, tio Sílvio, que adora dar alfinetadas na concorrência, teve de engolir o reconhecimento da teledramaturgia da Record.

Mudando de assunto...

Mais um paredão está instaurado no "Big Brother Brasil". Rafinha e Marcelo. Nesta terça, um dos participantes dá adeus ao prêmio de um milhão de reais. Particularmente, quero que o Marcelo saia porque ele é muito mala. Não sei se o cara se acha e também não sei se a Globo quer que ele vença o programa. Só sei que o cara cria em sua cabeça teorias que nem Freud explica. Após chamar a própria amiga de "mais falsa que uma nota de quinze" - cujo vídeo não foi ao ar no último paredão triplo - dá pra confiar no cara?