Arliza versus Joliza #TotalmenteDemais (Parte 2)

29/06/2020

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Em razão da pandemia de Covid-19, a Rede Globo se viu numa cilada: precisou escalar reprises de novelas para substituir as produções inéditas. Desta forma, seria possível preservar toda a equipe técnica envolvida na produção. Afinal, colocar no ar todos os dias um produto que se estende por vários e vários capítulos requer uma logística bastante complexa. Neste sentido, as novelas das sete e das nove precisaram encerrar as atividades. Assim, foram escaladas duas tramas que conquistaram audiência em suas primeiras exibições. As escolhidas foram "Totalmente demais" (2015) e "Fina estampa" (2011) para os horários das 19h e 21h, respectivamente. E é um pouquinho sobre a trama protagonizada por Marina Ruy Barbosa que vamos falar no post de hoje!

A exibição da trama assinada por Paulo Halm e Rosane Svartman para substituir "Salve-se quem puder" durante este período foi um acerto. Embora o logo traga o lembrete de que se trata de uma edição especial, não está havendo cortes tão significativos na narrativa. A obra tem apresentado número de audiência superiores à exibição original e as razões para este fenômeno vão além do fato de as pessoas estarem em quarentena em casa - afinal, o brasileiro não está fazendo devidamente a sua quarentena. #FiqueEmCasa

Em sua primeira exibição, a novela levou dezesseis semanas para passar a casa dos trinta pontos de ibope. Nesta reprise, bastou pouco mais de duas semanas. É possível que muitos dos telespectadores que se renderam à trama após o período de férias e final de ano da primeira exibição tivessem curiosidade em saber como iniciou a saga da florista que participa do concurso que dá nome à novela. Na época, houve acentuado aumento nos números de audiência justamente em razão das torcidas Arliza versus Joliza. Da mesma forma, hoje repete-se nas redes sociais o mesmo empenho dos fãs. Um empenho que muitas vezes se confunde com certa agressividade na defesa pela preferência. Na semana passada, por exemplo, postei no twitter a fotografia que ilustra este texto e perguntei: "Arliza ou Joliza"? Saí correndo! Quando voltei, fiquei surpreso com a interação. Os fãs não brincam em serviço! Alguns, inclusive, citaram que prefeririam que Eliza (Marina Ruy Barbosa) não terminasse nem com Arthur (Fábio Assunção), nem com Jonatas (Filipe Simas). Sozinha, estaria empoderada e seria realmente uma garota totalmente demais. Confesso que esta opção me agradou e muito!

No entanto, o final já está gravado e todos sabem disso. Rosane Svartman, inclusive, já falou em sua conta oficial do twitter que não há outro desfecho senão o apresentado na primeira exibição. Assim, a novela é como um livro que não dá possibilidade de outra interpretação além do registrado pelo autor - salvo se estivermos falando de "Dom Casmurro", mas aí é outro departamento. Isto não significa, porém, que o público não possa vibrar com a história. Aliás, é um privilégio rever com outros olhos esta novela, que bebe da fonte de obras como "Pigmalião" e "Ligações perigosas". Uma trama que conseguiu casar o clássico com o contemporâneo e que mobiliza o público noveleiro, desta vez fazendo um sucesso ainda maior.

Capa da trilha sonora oficial
Capa da trilha sonora oficial

Mudando de assunto:

Gentilmente, a autora Rosane Svartman interagiu comigo no twitter e respondeu três perguntas sobre a trilha sonora da novela, que teve grande influência de Marcel Klein. Segue aí:

1 - A regravação de "Só você" do Frejat foi encomendada especialmente para o personagem Arthur, interpretado pelo Fábio Assunção?

Sim. Foi um pedido especial. Adoro o Frejat, admiro muito e já tinha trabalhado com ele no cinema. 

2 - Qual é a razão de "Anjo", do Roupa Nova, ser a música preferida da Carolina (Juliana Paes)? Há alguma curisidade de bastidores nesta escolha?

Não lembro direito porque se Anjo, mas eu e Paulo Halm curtimos essa música. Talvez ele lembre. Carol curte a música porque lembra sua juventude. 

3 - Foi sugestão dous autores ou da emissora que a música "Totalmente demais" desse nome à novela?

Sobre Totalmente Demais sim, foi nossa sugestão depois que o nome original teve problemas com direitos. 

Deixo aqui o meu agradecimento à disponibilidade da autora! Vamos continuar acompanhando a novela, os tweets e o trabalho dela junto com o Paulo Halm. Sucesso para eles!!! 

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.