Arliza versus Joliza #TotalmenteDemais

30/05/2016

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Hoje termina #TotalmenteDemais. A novela das sete da Globo começou bem despretensiosa. Eu não colocava muita fé, reconheço. A trama batida de concurso já tinha sido catastrófica em "Geração Brasil". Mas ao contrário desta, a obra de Rosane Svartman e Paulo Halm teve fôlego porque apostou na trama já conhecida, porém, envolvente da moça pobre que sonha em ganhar o mundo. Pigmaleão nunca decepciona!

De nada serviria o triângulo amoroso Eliza-Arthur-Jonatas se os atores tivessem pecado no desenvolvimento das personagens. No momento em que um dos pretendentes ao coração de Eliza (Marina Ruy Barbosa) desse para trás, o outro seria erguido ao posto de par romântico. Não foi o que aconteceu. Se voltarmos em "Caminho das Índias", por exemplo, vemos que nem sempre o triângulo central termina como deveria terminar. Não venham dizer que o Raj (Rodrigo Lombardi) era predestinado à Maya (Juliana Paes) porque não era! O mocinho que não se defende, perde. No caso de "Totalmente demais", a história foi bem conduzida e, com isso, o negócio foi shippar.

E haja coração pra tantas idas e vindas nesse triângulo! Teve muita armação da Carolina (Juliana Paes), a aposta entre ela e Arthur (Fábio Assunção) sobre o concurso e diversos empecilhos para que a protagonista pobre vendedora de flores conquistasse seu espaço no mundo da moda (outra ambientação corriqueira de novela que poderia levar a uma sensação de déjà vu), a psicopata morta-viva que voltou de sua tumba, entre outras... A novela teve fôlego e contou uma história tradicional de uma forma diferente. Ficou com cara de novidade e fez sucesso, repercutindo o horário das sete como não se via desde a ascensão das empreguetes de "Cheias de charme".

O saldo tá mais do que positivo. Na reta final ficou ainda mais evidente o sucesso da novela. Até o penúltimo capítulo, a média geral era de 27.26. A título de comparação, as anteriores terminaram com: I love Paraisópolis (23,49), Alto astral (22,08), Geração Brasil (19,40), Além do horizonte (19,73) e Sangue bom (24,59). Agora, a responsabilidade é com Daniel Ortiz em seu segundo voo solo na Globo. Como eu li no twitter, parece que desde "Avenida Brasil" não vinha uma substituta tão desacredita. Que a gente se surpreenda, igual como aconteceu com a saga de Eliza em #TotalmenteDemais.

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.