CQC no Congresso

22/06/2008

Logotipo do programa de televisão
Logotipo do programa de televisão

Muitos me criticam: "O que tu quer falando sobre televisão no teu blog? Vai falar sobre alguma coisa mais útil!". Já que é assim, vou falar sobre liberdade de expressão. Não vou me deter nesse assunto; quero focalizar algumas concepções que tenho acerca do tema.  Leiam, comentem, passem adiante, problematizem a questão e continuem me cascudeando, já que vivemos nessa tal liberdade...

Começo pela campanha do CQC no Congresso, que atingiu mais de 100.000 assinaturas na semana passada. Eu também assinei o protesto do programa da Band. Gosto do CQC por causa das críticas que o formato traz, buscando informações e apresentando-as da maneira mais irônica possível. No momento que eles brincam com a situação política do Brasil, os telespectadores se deparam com a palhaçada que é o Cirque du Brasilia.

Já que a influência da política na televisão é o ponto, quero falar um pouquinho sobre a classificação dos programas de TV pelo Ministério da Justiça. No Brasil, as crianças assistem sim novelas das oito, das nove, das dez e ainda imitam aquela personagem ridícula do "Zorra total", a Lady Kate (o programa tem classificação imprópria para menores de 14 anos). Recentemente, a novela "Beleza pura" foi reclassificada como imprópria pra menores de 10 anos. Por conta disso, algumas cenas foram abolidas ou amenizadas na história, como a presença de um personagem travesti no Belezoca, um susto que Norma (Carolina Ferraz) daria em Dominique (Polliana Aleixo), a briga entre Norma e Joana (Regiane Alves) e o falso beijo gay entre Renato (Humberto Martins) e Mateus (Mônica Martelli). Se sofresse nova classificação (imprópria para menores de 12 anos), deveria ocupar a faixa das 20h, desestruturando a tradicional grade de programação da Globo.

E pra concluir, apresento a maior incoerência que percebo: as propagandas de bebidas alcoólicas. Se elas são destinadas a maiores de dezoito anos, porque são apresentadas a qualquer horário na programação (mesmo apresentando a indicação da bebida)? Assim como os programas, elas deveriam seguir a lógica do Ministério da Justiça, que deveria exibi-las, seguindo o raciocínio dos programas de TV, após as 23h. Fica complicado concordar com algumas atitudes superiores. E eu quero o CQC no Congresso!

Mudando de assunto...

A bomba da semana foi a notícia de que a Televisa e a Record estariam fechando um acordo para a abertura do terceiro horário de teledramaturgia. Uma lástima, considerando que a Record segue uma linha diferenciada da Rede Globo, SBT e Band. Adaptar um texto mexicano na Record, mesmo que ela tenha total liberdade para modificar as histórias, tira um pouco do prestígio que o canal vem conquistando.