Década de 1980 - Quero (re)ver

26/10/2020

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Dando continuidade às novelas que quero (re)ver, chegamos na década de 1980.

Lembrando que as escolhas são pessoais e não estão relacionadas à audiência ou repercussão, mas sim na curiosidade em relação à trama e à possibilidade de acesso. Vamos listar mais cinco tramas?

- Baila comigo (1981) - Novela de Manoel Carlos conhecida por ser ter Lílian Lemmertz como a primeira Helena do autor. A título de curiosidade, o primeiro nome para o papel era Fernanda Montenegro. É desta novela a memorável cena do encontro dos gêmeos Quinzinho e João Victor, vividos por Tony Ramos.

Eu não assisti. Probabilidade de assistir: alta, já que é uma das novelas anunciadas para integrarem o catálogo do Globoplay.

- Corpo a corpo (1984) - A primeira parceria de Gilberto Braga e Dennis Carvalho nunca foi reprisada. O autor disse em 2009 que "Corpo a corpo" era sua melhor novela. Depois mudou de opinião, pois é muito fácil encontrar vídeos onde ele expõe sua predileção por "Insensato coração" (2011). Publicamente, ele já reclamou que do título "Corpo a corpo", que acha muito ruim, e também da escalação de Débora Duarte, que segundo ele é uma ótima atriz, mas não é o primeiro nome de uma novela.

Eu não assisti. Probabilidade de assistir: baixíssima, já que depende de sua exibição no Viva ou Globoplay.

- Carmem (1987) - Após a Globo engavetar a sinopse de "Barriga de aluguel", Glória Perez foi para a Manchete a convite de José Wilker, que estava na emissora. Lucélia Santos foi a protagonista da obra, que abordou o tema da AIDS numa época em que havia pouca informação sobre a síndrome.

Eu não assisti. Probabilidade de assistir: depende. Glória Perez comentou dia desses numa live que não há registros da obra e sequer sabia de quem eram os direitos. Entretanto, está disponibilizado no youtube uma versão compactada em 39 capítulos. A íntegra da novela conta com 180 capítulos e na reprise de 1990 foram exibidos 69 capítulos.

- Direito de amar (1987) - Novela de Walther Negrão estrelada por Glória Pires e Lauro Corona baseada na radionovela "A noiva das trevas", de Janete Clair. Considerado um trabalho primoroso, foi exibida no horário das seis horas, substituindo a reprise de "Locomotivas" (1977), quando a faixa correu o risco de desativação após problemas da Globo com o Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões do Rio de Janeiro.

Eu não assisti (como diria Glória Pires). Probabilidade de assistir: média (como também diria Glória Pires), já que depende de sua exibição no Viva ou Globoplay.

- Que rei sou eu? (1989) - Considerado um dos melhores trabalhos de Cassiano Gabus Mendes, uma sátira do Brasil que tem a Revolução Francesa como pano de fundo. Um trabalho que repercutiu positivamente e que conta com a participação mais que especial de Dercy Gonçalves.

Eu não assisti. Probabilidade de assistir: grande, já que é uma das novelas anunciadas para integrarem o catálogo do Globoplay.

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.