É fantástico! Pãhn...

10/09/2007

Logotipo da revista eletrônica
Logotipo da revista eletrônica

A sua revista eletrônica semanal está sofrendo uma crise de audiência: menos de trinta pontos! São nessas horas que a gente percebe o quanto a emissora Marinho faz de tudo para manter sua hegemonia e, por isso, acaba desprezando (ih, isso é palavra de novela mexicana! Arriba, Monterrey!) a opção de escolha do telespectador.

Ainda no México (e arriba de novo, muchachos!), Regina Casé volta com a sua "Central da Periferia". Além do México, a série de 16 episódios retratará a periferia de Luanda e Paris. Além desse quadro, uma série baseada no livro do jornalista Eduardo Bueno contará a história de um jeito diferente do estudado nas escolas. "É muita história" vai mostrar que muita coisa que se sabe sobre a história do Brasil acabou sendo criada como um mito.

Depois do "Te quiero, América", bem elaborado, mas responsável por algumas quedinhas de audiência, Denise Fraga volta com o "Retrato falado", que já foi "Copas de Mel", "Dias de Glória", entre outras. Claro, seguem-se quadros do médico Dráuzio Varella com as doenças que mais afligem os brasileiros, "Emprego de A a Z", com Max Gehringer, "Etiqueta urbana" com a chique Glória Kalil, e outros mais (até aquele Diego do BBB). Isto é, o Fantástico sempre está renovando seus quadros para permanecer dinâmico. Só que agora, a queda de audiência não tem nada haver com a "Casa dos artistas".

Com cenário novo, a revista eletrônica semanal com Pedro Bial e Glória Maria pretende recuperar seus pontinhos perdidos. "Isso é meu por direito!", diria-se numa novela mexicana! Arriba!

Mudando de assunto...

Com problemas de saúde, o ator Dalton Vigh, protagonista da próxima novela das 21h da Globo, foi internado no Rio de Janeiro, na quinta-feira. Ele já recebeu alta e seu afastamento das gravações da novela não tiveram implicações para o andamento da trama. Em "Duas caras", ele viverá o golpista Adalberto, que muda de identidade após roubar a fortuna de Maria Paula (Marjorie Estiano), que logo no primeiro capítulo, fica órfã. Seus pais, Waldemar (Fúlvio Stefanini) e Gabriela (Bia Seidl) morrem num acidente de carro.