#Gênesis é aposta da RecordTV

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

A RecordTV insiste em conquistar um novo sucesso bíblico. Após o fenômeno "Os dez mandamento" (2012), obras de repercussão pouca ou mediana deram as caras na emissora. Nem mesmo "Jesus" (2018), a história mais conhecida da Bíblia, foi capaz de se equiparar à saga de Moisés. E após o fracasso da superprodução "Apocalipse" (2017) e do retorno às novelas urbanas como "Topíssima" (2019) e "Amor sem igual" (2019), é chegada a hora de #Gênesis, que a partir de amanhã, procura explicar que é no começo que se encontram as explicações do agora.

Dividida em sete fases, a estrutura da novela parece mais um combo de minisséries apresentadas em ordem cronológica. Novelas subdividas em fases não são novidades. "Os imigrantes" (1981) é um exemplo de obra dividida em fases, assim como a primeira versão de "Chiquititas" (1997) e a primeira versão da saga de "Os mutantes" (2008). Entre as três, uma característica importante: mesmo com as mudanças de fases, as novelas seguiam uma linha narrativa que mantinha a história inicial e parte do elenco.

Em "Gêneses", porém, é complicado pensar qual seria o fio que amarraria todas as histórias. Aliás, autores diferentes ficaram responsáveis por fases diferentes da novela. Isso tira um pouco da unidade mais tradicional. Ou seja, também há uma aposta na forma de contar a história dos primórdios da existência conforme a Bíblia. E soma-se ainda a peculiaridade de a novela contar com musicais no decorrer dos capítulos. Um expediente arrojado e já executado em alguns capítulos da segunda versão de "Meu pedacinho de chão" (2014) da Globo.

Para promover a novela, a RecordTV fez um programa especial pra lá de cafona. Salientaram o arsenal tecnológico e o elevado número de atores. É sempre muito interessante conhecer os bastidores de gravação, ainda mais num contexto atípico como a pandemia que vivemos. No entanto, as tentativas da emissora em chamar atenção para seu produto fazem com que as expectativas sejam elevadas. E sabemos que quanto maior a altura, maior o tombo. Torre de Babel que o diga... E não tô falando da concorrência! Afinal é a emoção o principal elemento dramático para o sucesso.

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e atualmente reside em Santa Catarina. Iniciou o #BlogCascudeando em 2005 falando sobre novelas, ampliando o leque de assuntos no decorrer dos anos. Atualiza esporadicamente este espaço, pois nas horas vagas trabalha para ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.