Hoy tiene #LaMadrastra

14/10/2013

Logotipo da novela
Logotipo da novela

O SBT tem se dado bem com as reprises latinas no horário da tarde, ainda que exista uma overdose de novelas ("O privilégio de amar", por exemplo, não precisava inaugurar o quarto horário). Mesmo que alguns horários estejam descaracterizados, o das 16h30min é, sem dúvidas, o mais importante. Neste, há sempre um espaço na grade para Thalía. É também o horário de "A usurpadora" e agora se tornou o cantinho de "Rubi" e "A madrasta". Ou seja, só as melhores reprises!

"A madrasta" é sem dúvida uma das melhores novelas de todos os tempos! Conta com um elenco incrível e sua história é mais do que envolvente. Maria (Victoria Ruffo) foi condenada por um crime que não cometeu. Ao sair da prisão, retorna à mansão San Román, se casa com o ex-marido Estevão (César Évora) e torna-se a madrasta de seus próprios filhos. Paralelamente, tenta descobrir o verdadeiro assassino de sua falsa amiga Patrícia (Venturina García) e precisa lidar com as intrigas de Alba (Jacqueline Andere), que reprime o amor pelo sobrinho Estevão, manipula a irmã Carmem (Margarita Isabel) e esconde um grande segredo que envolve um dos filhos de Maria. Ufa! Isso que é vilã!

Para os curiosos, não vou dar o spoiler sobre a identidade do verdadeiro assassino de Patrícia. Mas calma! Não precisam esperar até o último capítulo. O público descobre na reta final. Antecipo pra quem não conhece a história que é surpreendente! E para ficar ainda melhor, antecipo que para a reprise mexicana de 2007, foi gravado um novo final com um novo assassino. Será que o SBT vai exibir esse?

"A madrasta" é um folhetim recheado de acontecimentos. É um capítulo melhor que o outro - e não é propaganda falsa. Lamento que a novela tenha sido exibida pela primeira vez concorrendo com a reprise de "Laços de família", que dava números expressivos para a Globo na época. Mas agora, depois de oitos anos, a trama tem condições de manter e ampliar os índices de "Rubi", que não fez feio. A Globo que trate de mudar, além da vinheta, os filmes da "Sessão da tarde". Ou quem sabe inverter com o "Vale a pena ver de novo", prática que já está acontecendo na filial da Globo em Brasília. Se o SBT respeitar a exibição com todos os ganchos de "A madrasta" e a Globo não se cuidar, as tardes de Sílvio Santos podem ficar pra lá de felizes! E a gente também!