#Império não foi propaganda enganosa

25/07/2014

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

O que foi visto na última semana da Globo foi além do esperado: "Império", nova aposta das 21h, começou muito bem, obrigado. Aguinaldo Silva se redimiu comigo. Autor de novelas regionais memoráveis como "Pedra sobre pedra", "Fera ferida" e "A indomada", Aguinaldo Silva partiu para o realismo com "Senhora do destino". Desde então, torci o nariz. Veio "Duas caras" e "Fina estampa" e eu pensei: bah, se foi... Mas eis que "Império" surge e Aguinaldo ressurge para mim...

Nesta primeira semana, um show de texto, de interpretação (Chay Suede, Marjorie Estiano, Vanessa Giácomo, entre outros), de direção do Rogério Gomes, de tudo, enfim. Aliás, pela primeira vez percebo a assinatura de Rogério Gomes. Não encontrava um diferencial na direção dele. Mas as imagens dessa primeira semana foram deslumbrantes e casaram com a história contada.

O problema que vejo, até agora, é a trilha sonora. Abomino a prática da Globo de repetir se repetir, tendo em vista a infinidade de músicas possíveis. "Aonde quer que eu vá", dos Paralamas do Sucesso, já esteve em "Um anjo caiu do céu" e "A vida da gente"; "Quelqu'un m'a dit", da Carla Bruni, foi tema de "Belíssima"; e "Dona" do Roupa Nova, foi imortalizada em "Roque Santeiro". Repetição de temas fizeram barulho nesse início. Nessa questão das músicas, analiso da seguinte forma: que bom que saiu a enxurrada de músicas ruins que assolavam as trilhas sonoras das últimas novelas.

Bom, de qualquer forma, essa opinião sobre as músicas é minha e eu sei que não vou agradar a todos. Entretanto, preciso expressá-la aqui e esperar que as próximas novelas da Globo voltem a apostar em boas músicas que caiam no gosto do público. E se for pra repetir, bom, que repitam o que já deu certo mesmo! Antes uma boa música velha numa história interessante que música ruim em novela ruim!