#MuseuDaInternet: os sites de produções dos anos 2000

20/07/2020

Fonte: Print da página na internet
Fonte: Print da página na internet

Esses tempos, o amigo @olivrodoeli postou no twitter alguns prints de sites antigos de novelas. Até comentei com ele como era legal a dedicação com  que as emissoras tratavam os layout dos sites de suas produções. Nada de fundo branco sem graça. A moda nesta época ainda andava próxima ao cheguei dos anos 1990, com muita informação na tela, cores berrantes e fontes de gosto duvidoso. Dentre os prints que ele compartilhou no perfil, estavam "Um anjo caiu do céu" e "O clone", novelas exibidas pela Rede Globo em 2001 e que tinham conteúdos produzidos exclusivamente para a internet.

Voltei no tempo. Lembrei dessa época, quando eu fazia cursinho de informática e precisava agendar uma hora no sábado pra poder acessar os sites. Lembro que eu salvava tudo num disquete no cursinho e depois passava pro meu computador com Windows Me, que vivia dando p%$. Arquivos corrompidos, demora pra carregar as figuras... Um show de horrores. Mas era tão bom!


Eu sempre acessei muito mais o site do SBT do que o site da Globo. Há quase vinte anos, uma cafonice maravilhosa na divulgação de suas novelas e séries. Olhando para os layouts hoje em dia, a gente percebe como o design era diferente. Em alguns casos, o máximo que a gente tinha era fotografias de divulgação e alguma informação superbásica sobre as histórias e os personagens, como nos sites de séries da época. Informação, quase nenhuma. Mas dava pra fazer downloads de papéis de parede que eram praticamente montagens do paint. Também tinham os famosos protetores de tela, que hoje em dia praticamente ninguém usa.


Mas nem todos os sites eram assim na época! No caso das novelas, quando uma produção estava no ar, costumava haver conteúdos exclusivos. Ao entrar nos site de "Pequena travessa", a gente podia acessar no menu até mesmo "Papel de parede autografado" e figuras no melhor estilo "Imprima e pinte". Ao entrar no site de "Cristal" (2006), o jeito era baixar o volume antes que o Dado Dolabella começasse a cantar em repeat mode on o tema de abertura. Também havia um diferencial nas páginas das novelas infantis. Na reprise desta época de "Cúmplices de um resgate", o cartão de visitas era uma animação em flash ousada sqn.


Fonte: Print da página na internet
Fonte: Print da página na internet

Se as novelas eram mexicanas, tinha uma produção toda especial para dois outros sucessos da época: "Rebelde" e "A feia mais bela". Em tempos de internet ainda discada, quando a gente rezava pra ninguém ligar para o telefone fixo no sábado de tarde, o jeito era aproveitar para acessar os sites das novelas, pedindo que todas as imagens carregassem e a gente pudesse ver e rever a galeria virtual que trazia duas ou três fotos de divulgação.


Lá por 2004, eu comecei a acessar o site "esmas.com" e ficava por dentro das novidades da Televisa. Antes mesmo de "A madrasta" ter estreado aqui no Brasil, eu já conhecia o logo e sabia um pouco da história. Na época, a trama era exibida no México em horário nobre. Mas isto é assunto pra outro post...

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.