Na vida é preciso #AmorESorte

23/09/2020

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

A pandemia do coronavírus impactou a produção de dramaturgia no mundo todo. As limitações impostas, no entanto, contribuem para refletirmos sobre o que realmente traz consigo um valor artístico. Afinal, alguns produtos surgiram neste novo contexto e muitos deles trouxeram um frescor necessário à assepsia que muitas vezes toma conta das obras que consumimos.

#AmorESorte, idealizada por Jorge Furtado, traz uma premissa bastante oportuna. Ao falar sobre o confinamento imposto por uma doença que virou o mundo de cabeça para baixo e dizima milhares de vidas, a série foi produzida de maneira remota e é estrelada por atores que estão quarentenados. Além de atuarem, sobrou para eles a incumbência de trabalhar na produção.

O primeiro episódio exibido, "Gilda e Lúcia", trouxe uma dobradinha mais que especial: Fernanda Montenegro e Fernanda Torres. Dois grandes talentos numa história linda. O conflito entre mãe e filha pontuado pela sutileza, pelos detalhes, pela ambientação, pelo laço sanguíneo que sabemos existir deu ao telespectador um quentinho no coração.

O segundo episódio, "Linha de raciocínio", apresentou o conflito de um casal vivido pelo casal Taís Araújo e Lázaro Ramos, que dirigiu o episódio. Eu achei mais fraco, mas o gosto é meu e isso não importa. Válida é a iniciativa de produzir conteúdos inéditos.

O terceiro episódio, "Territórios", é protagonizado por Emílio Dantas e Fabíola Nascimento. Trata-se da história de um casal prestes a se separar que precisa permanecer em casa durante a pandemia.

Na próxima semana, teremos o quarto e último episódio. A série foi exibida na Rede Globo está disponível no #Globoplay.

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.