O perigoso caminho de #Freud

04/11/2020

Fonte: Divulgação
Fonte: Divulgação

#Freud é uma série disponível pela #Netflix que se propõe a ser um suspense psicológico. A produção germânico-austríaca tem oito episódios e estreou aqui no Brasil em março deste ano. Confesso que assisti alguns episódios e abandonei a série, retornando agora para finalmente conclui-la. E fico com dois sentimentos: que bom que concluí, já que fui fiel à minha tendência a assistir até o fim mesmo quando não gosto, e que ruim que eu concluí, já que poderia ter feito outra coisa ao invés de assisti-la.

O enredo conta um pouco sobre um jovem Sigmund Freud na Viena do século XIX. O primeiro episódio, chamado "Histeria", despertou meu interesse. Foi fluído e apostou no momento anterior ao desenvolvimento da teoria psicanalítica. No entanto, o médico foi apresentado como alguém que poderia burlar questões éticas na apresentação dos resultados de suas técnicas, já que a indução da hipnose em sua criada era, na verdade, um espetáculo que tinha a intenção de autopromoção.

Apesar da primeira licença poética, segui na série. Afinal, entendi a ideia de que se tratava de uma trajetória que não buscava ser fiel à realidade. Mas os episódios que seguiram, nomeados conforme conceitos da teoria psicanalítica, como "Trauma", "Pulsão" e "Regressão", percorreram o delicado caminho da apresentação de uma importante personalidade real em meio a uma trama sombria e que em inúmeras situações mais lembrava uma fantasiosa caça às bruxas. E de gosto bastante duvidoso...

Embora tenha sido indicada a dois Romy Awards, nas categorias "Melhor série de TV" e "Melhor Produção, Ficção para TV", os oito episódios não convencem o espectador que busca um pouco mais da realidade. É preciso estar atento a este ponto, pois embora seja uma ótima produção em seus aspectos técnicos, a tendência à decepção é enorme.

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.