O que é que a #Esmeralda tem?

27/01/2015

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Acho incrível como a grade vespertina do SBT é dependente de um título forte. Basta uma novela que repercuta positivamente para que as demais sigam o mesmo caminho. A novela precisa ser um dramalhão já visto em outras ocasiões. Neste caso, "Esmeralda". E, pasmem, a versão brasileira!

Uma versão da trama de Delia Fiallo já foi apresentada no Brasil sob o título de "Topázio" lá no início da década de 1990. Depois, o México fez a sua versão: "Esmeralda". A história da troca de bebês foi bem em sua versão dublada e o SBT resolveu fazer uma versão genuinamente brasileira com tudo de mais mexicano possível. O resultado foi uma novela com uma história despretensiosa e que, em sua primeira exibição, foi bem de audiência na reta final (quando a história já tá ZzzZzz) por causa da reprise de Xica da Silva que vinha na sequência.

"Esmeralda" teve a sua primeira reprise há pouco tempo, logo que o SBT inventou que suas tardes seriam uma joia (lembram-se da legen-wait for it-dária chamada, com "Pérola negra" e "Esmeralda"?). Fez sucesso. Depois vieram todas as incansáveis Marias de Thalía e as tardes do SBT seguiu o fluxo com boa audiência. Seguiram-se alguns títulos duvidosos no horário vespertino ("Jamais te esquecerei", "Por teu amor", "Por ela, sou Eva") e a audiência não correspondeu. Das inéditas, "Cuidado com o anjo" foi a de maior repercussão no período. E tudo parecia ficar no marasmo quando nem o diretor mais otimista do SBT acreditava na força de "Esmeralda". Resultado: audiência com 7, picos de 8 pontos no horário da tarde! E alavancou "Sortilégio" e "A feia mais bela"!

Eu assisti ao início de "Esmeralda" quando foi exibida no horário da noite. Com desconfiança, já que a versão mexicana com Letícia Calderón e Fernando Colunga é mais "arrebatadora" digamos assim. Aliás, fica a dica: se a grade estiver meio capenga e quiserem poupar Thalía, a versão mexicana de "Esmeralda" é uma ótima opção.

A propósito, faz tempo que não temos "Maria Mercedes", "Marimar", "Maria do Bairro", "Rosalinda" e "A usurpadora" no SBT... Cadê os curingas idolatrados por uma legião? Que descansem, mas não muito! E que saibam que jamais serão traídos por um corazón salvaje!

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.