O que está acontecendo com as novelas? (Parte 2)

15/02/2009

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Vamos seguindo a análise iniciada no texto anterior. Afinal, qual o motivo pelo qual a audiência caiu? Não sabemos. Não há resposta para isso. Mas vamos fazer uma lista com propostas que podem ajustar o formato.

Primeiro passo: diminuir o número de capítulos das novelas. No México, são produzidas várias histórias. Por quê o Brasil tem que ser orgulhoso e ficar uma gestação mostrando sempre os mesmos personagens? A história entra naquela barriga em que nada acontece e não há necessidade nem mesmo de assistir novela. É o caso da "Maria do Bairro". Já pensaram se o Nandinho ficasse desaparecido duzentos capítulos? Haja lenço de papel pra protagonista! Além do mais, diminuir os capítulos faz as coisas acontecerem mais rápidas, com mais ânimo. "A favorita", por exemplo. Para Flora (Patrícia Pillar) confessar seus crimes, bastava a Donatela (Cláudia Raia) ter entregue o DVD à polícia logo que o encontrou na casa do Dodi e entrava o "Fim"!

Segundo passo: melhorar a transmissão das novelas. O que custa para uma emissora fazer um acordo com o youtube ou outra plataforma de vídeos para que sejam postados os capítulos na íntegra numa página própria? A gente leva um ano pra encontrar uma cena de novela no site. Se cada novela tivesse uma página específica, isso nunca aconteceria. Além do mais, daria mais visibilidade às novelas tanto no Brasil como no exterior. Imaginem as novelas na net com a possibilidade de legenda para as mais diversas línguas?

Terceiro passo: diminuir personagens. Quem assiste novela uma vez por semana não sabe o nome da metade dos habitantes de Caramirim na novela das sete da Globo! Mas quem ligava "Beleza pura" ano passado sabia da história e a função de cada personagem!

Quarto passo: novos autores. Se as novelas diminuíssem o número de capítulos, poderíamos produzir tomando a Globo como exemplo - fazer umas oito novelas por ano! Sílvio de Abreu já se propôs trabalhar somente como supervisor, mas a ideia não foi vista com bons olhos. Paciência. Existem vários colaboradores para escrever uma novela e se cada um tiver pelo menos uma história na cabeça, basta a boa vontade da emissora para aprovar uma sinopse.

Quinto passo: modificar o formato para que a novela seja centrada numa única história. Mais de três núcleos distintos formam novelas paralelas que poderiam ser desmembradas. Em "América", por exemplo, tínhamos os núcleos de "Boiadeiros", "Vila Isabel", "Núcleo Zona Sul do Rio", "Núcleo EUA principal", "Núcleo EUA secundário". Eram muitos!

Sexto passo: os horários das novelas. Numa época em que todo mundo trabalha  e as pessoas chegam em casa quase dez da noite, é praticamente impossível acompanhar qualquer novela com afinco. A Globo acertou atrasando os horários de suas produções e tem acertado até mesmo nas microsséries de Renato Aragão antes de "Malhação", o que nos faz pensar que o horário das seis deveria ser após o "Vale a pena ver de novo", com a "Sessão da tarde" às cinco e "Malhação" quinze pras sete. É loucura, mas se as novelas das seis dão menos audiência que as reprises, podemos pensar na hipótese de mudar completamente a grade a principal emissora do país. E ela ajudaria até a Record sem querer, pois a emissora poderia fazer novela às seis e não concorreria diretamente com uma produção inédita do gênero!

Sétimo passo: pensar na faixa etária de quem assiste como modelo. Porque não produzimos novelas infantis como "Carrossel"? É brega? Ora, ora... Abalou o horário nobre da Globo em sua primeira exibição! Ou novelas para adolescentes que estejam mais atentas à realidade dos jovens do que "Malhação".

Enfim, existem diversas possibilidades pra fazer o gênero sobreviver sem fazê-lo perder a sua essência dramática. Não se poderiam aplicar tudo o que escrevi de uma hora pra outra, mas se determinado um prazo, acho que seria possível fazer todas essas mudanças. E, analisando uns dois anos essa nova temática, teríamos uma certeza: ou eu estou certo ou estou errado!

Acesse este link para a primeira parte de "O que está acontecendo com as novelas?".