#SandyEJúniorAHistória no Globoplay

15/07/2020

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Não foi porque Sandy & Júnior se separaram em 2007 que o Brasil deixou de dar certo. Mas é certo que o retorno da dupla nos shows do ano passado deu uma pontinha de felicidade ao nosso país, que vive um momento de acentuada divisão. O retorno causou comoção me fez pensar que ainda é possível unir as diferenças. Não foi por nada que as vendas dos ingressos se esgotaram rapidamente. Eu lamento não ter ido à Curitiba (PR) vê-los e cantar juntos, pois coincidiu com outros planos da minha vida. Mas isso não me impede de sentir o coração aquecido ao perceber a mobilização de seus fãs e de um público mais jovem que não viu o crescimento e amadurecimento deles diante dos olhos no decorrer dos anos 1990.

Sabemos que o que é imortal não morre no final. Quando foi anunciado o retorno para os shows do ano passado, compreendemos que Sandy & Júnior se tornou uma lenda que faz sorrir e faz chorar. Sorrir de alegria e chorar de emoção. Eles são capazes de abraçar uma multidão e fazer música com poesia, num trabalho de palavras que nos lembra que a arte traduz os sentimentos humanos mais profundos.

Um documentário de duas horas seria pouco para abordar os dezessete anos de parceria. Foram então produzidos sete episódios de uma série documental contando a trajetória da dupla. O primeiro episódio foi apresentado domingo à tarde na Globo. Muita música pontuando as imagens de arquivos e os depoimentos de amigos e artistas que acompanharam a trajetória da dupla. Entre eles, Ivete Sangalo e Laura Pausini. Não ficaram de fora momentos significativos, como o dueto de Sandy com Andrea Bocelli e a abertura da novela "Era uma vez..." (1998) com Toquinho.

Os demais episódios estão disponíveis aos assinantes no Globoplay. A plataforma está investindo bastante em séries documentais. Há um know-how jornalístico que está sendo muito bem aproveitado, com um rico material de reportagens e bastidores.

"- Cadê aquele menino lá? Meu quase ex-parceiro?". É ou não pra sentir o coração apertado?

E pra completar: meu álbum preferido? "As quatro estações". Eu tinha a fita K7. Bons tempos!!!

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.