Trago um insensato coração desde América...

23/05/2011

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Descoberto o mistério! Eis o principal motivo de a audiência do horário nobre da Globo nunca mais ter sido a mesma. E adivinhem de quem foi a culpa: tchan tchan tchan tchan... A culpada foi "Páginas da vida"! Além das bruscas mudanças de narrativa, é claro. Mas voltemos a AMÉRICA...

"América" começou e a novela foi detonada por meio mundo e meio. Todo mundo até hoje diz que a trama de Glória Perez ficou devendo. Mas pondo os pingos nos is, fica claro que a novela se saiu muito bem em termos de audiência. Melhor que "O clone", inclusive. Claro, a anterior foi "Senhora do destino" e todo mundo sabe que audiência como essa, nunca mais houve. Enfim. "América" teve um início conturbado, mas se acertou e entregou o bastão para uma novela BELÍSSIMA.

"Belíssima" foi uma boa novela. Sílvio de Abreu manteve os índices com uma história bem amarradinha. O autor escreveu páginas e mais páginas de boa história... PÁGINAS DA VIDA...

"Páginas da vida" foi razoável por causa do ritmo mais lento que a novela anterior. E por ter cansado o público, ela é a culpada da queda livre que seguiu. Assim não era possível para o horário nobre viver num PARAÍSO TROPICAL.

"Paraíso tropical" foi o oposto de "Páginas da vida". O público se cansou tanto da novela anterior que fez da trama de Gilberto Braga e Ricardo Linhares a mais baixa audiência de estreia até então. A rápida narrativa não se adaptou ao público desgastado e mal acostumado com tudo mastigadinho. O resultado foi recorrer ao autor da maior audiência da década. Aguinaldo Silva então mostrou ter DUAS CARAS.

"Duas caras" foi uma trama que tinha certos resquícios de "Senhora do destino". Apostou num personagem principal mal caráter, mudando a narrativa tradicional de mocinho, mocinha e vilão. A novela foi menos rápida que "Paraíso tropical" e assim como a anterior, demorou a emplacar. Como se não bastasse, foi uma época em que mutantes brotavam na tela da concorrente em seu melhor momento até então. E para socorrer o horário, foi escalado João Emanuel Carneiro, vindo dos maiores sucessos do horário das sete na década, para provar que a novela da Globo devia ser A FAVORITA.

"A favorita", da mesma forma que sua antecessora inovou no formato. Porém, não parecia ser o momento para inovação nos folhetins. Era necessário recuperar a audiência tradicional. Mas como chamar esse público se ninguém sabia quem era mocinha ou vilã? A jogada era excitante e por isso "A favorita" demorou a acontecer. Mas aconteceu! Os últimos capítulos com média acima de cinquenta pontos! A Globo parecia ter encontrado o caminho. Inclusive o CAMINHO DAS ÍNDIAS!

"Caminho das índias" voltou com o folhetim no horário nobre. Glória Perez não esconde de ninguém que sabe fazer novelão. Mas muitos foram os preconceituosos que torceram o nariz com medo de assistir uma nova versão não oficial de "O clone" por conta da temática. Estes telespectadores perderam a chance de acompanhar a novela onde o mocinho virava figurante. A audiência até que manteve os índices anteriores, mas podia ter feito melhor, tendo em vista a sua qualidade. Mas assim é a vida. E vamos VIVER A VIDA!

"Viver a vida" foi novela de político: muita promessa, pouca realização. A mesmice do Maneco tomou conta da telinha. Da mesma forma que a novela anterior, a mocinha virou figurante. A narrativa sonolenta fez o pessoal voltar a desligar a TV. E a média nunca que subia na casa dos quarenta pontos. Tá certo que o primeiro capítulo surpreendeu em audiência, mas houve cansaço com a bossa nova e a linhazinha da abertura. Era preciso mais que empregada querendo ter fala. Era preciso uma verdadeira PASSIONE!

"Passione" fez o papel de "Paraíso tropical": substituiu uma narrativa lenta, dando aos telespectadores um choque térmico. Ninguém entendia a italianada, ninguém queria chamar pelo Totó, ninguém tava nem aí pra uma empresa fictícia. O resultado foi menos telespectadores em frente da TV. A novela estava armada desde o início, calcada no suspense e humor. Salvou-se o humor. E o suspense, mesmo amarradinho como em "Belíssima", não empolgou. A mudança de narrativa, mais uma vez, mandou dupla mensagem ao INSENSATO CORAÇÃO.

"Insensato coração" é a atual novela das nove. E em muitos capítulos, eu desligo a TV. Mantém a tendência de queda livre no horário nobre. Era a grande promessa de recuperação, mas está mal das pernas e acho difícil recuperar agora. A não ser que exista uma Norma para que tudo dê certo e entregue o bastão para a próxima aposta: FINA ESTAMPA.

"Fina estampa" é a próxima novela das nove. Aguinaldo Silva promete um novelão melhor que "Senhora do destino". Será uma nova mudança brusca de narrativa? Será possível recuperar a audiência perdida? Só existe um jeito pra isso: planejamento da Globo em sua rotatividade de autores. Não dá mais pra colocar Glória Perez seguida de Manoel Carlos seguido de Gilberto Braga! A mudança de temáticas precisa ser gradual para acostumar o público. E é preciso investir também em novos autores, mudar as direções de sempre... Se isso não acontecer, vamos seguir assistindo notícia de novela das sete dando mais audiência que a das nove!

Lucas Andrade é natural do interior do Rio Grande do Sul e reside atualmente em Santa Catarina. Escreve sobre televisão desde o Ensino Médio no #BlogCascudeando. Formado em Psicologia e com Mestrado em Educação, atua na área e está cursando Letras-Português. Ainda pretende ganhar o Nobel de Literatura e um Oscar.