Um espinho com muita dor

30/05/2011

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Desde que retomou o esquema de novelas no horário da tarde, o que mais o SBT tem feito é queimar todo seu acervo de teledramaturgia. Tudo começou quando as tardes se tornaram uma joia com a exibição de "Pérola negra" e "Esmeralda". O resultado veio rápido: boa audiência com as mexicanas abrasileiradas do tempo do contrato com a Televisa.

Algumas escolhas são de caráter no mínimo duvidoso para reprise: "Amigas e rivais", "Cristal", "Maria Esperança"... Peraí... Incluo aqui "Uma rosa com amor", que voltou em menos de um ano. São novelas com todo aquele gosto de "coisa tosca do SBT" com atuações constrangedoras e direção equivocada em sua maioria.

O que acho interessante é notar que a exibição dessas novelas estabilizou as tardes do canal. E várias surpresas ocorreram... Quem diria que logo na primeira semana de "Amigas e rivais", a reprise teria mais audiência que a sua média em toda a exibição original?

O problema das reprises do SBT é que o canal produz pouca dramaturgia. Não é tão grande assim o acervo e isso vai acabar comprometendo a audiência conquistada as tardes. As produções "Revelação", "Vende-se um véu de noiva" e a atual "Amor e revolução" dificilmente emplacariam uma reprise a tarde. Mas quem sabe trariam audiência superior a exibição original... Afinal de contas, novela do SBT emplaca só quando reprisa. Não preciso nem citar exemplos! E não se assustem se anunciarem "Antônio Alves, Taxista", "Brasileiras e brasileiros" e "Jamais te esquecerei"!