Uma lacuna após "Salve Jorge"

12/03/2012

Fonte: Reprodução
Fonte: Reprodução

Ontem o amigo Daniel Miyagi comentou comigo que Manoel Carlos não assumiria a faixa das 21h na sequência de Glória Perez. Fui pesquisar daqui e dali e constatei que o Maneco deve produzir um folhetim mais curto, para o horário das 23h. "Vale Abraão" é o título da trama que contará a história de Ema, uma mulher que leva os homens á loucura. Com essa premissa, o horário mais avançado realmente parece ser o mais confortável.

Com Manoel Carlos entrando às 23h em 2013, que novela sucederia Glória Perez? Sílvio de Abreu vai estar concluindo "Guerra dos sexos". A única opção seria Gilberto Braga e Ricardo Linhares. Mas todos sabemos que o Gilberto Braga está se recuperando de uma cirurgia no coração que realizou após concluir "Insensato coração" (ficou legal a frase!). João Emanuel Carneiro, recém saído de "Avenida Brasil", dificilmente seria convocado. Aguinaldo Silva também não deve retornar tão rápido (entre "Duas caras" e "Fina estampa" foram quase quatro anos). E o Benedito Ruy Barbosa vive igual eleitor: só na promessa. E eu considero uma pena, porque depois morre e todo mundo vai dizer "ai, como eu gostava das novelas do Benedito". Aponta no caderninho o que tô dizendo!!!

Notícias sobre a ida de Walcyr Carrasco para o horário das 21h começam a circular. O Daniel Miyagi comentou sobre isso no twitter e, coincidência ou não, Flávio Ricco trouxe essa informação em sua coluna. Porém, o autor também estará recém-saído de "Gabriela". Se Walcyr Carrasco for para o horário das nove preencher essa lacuna que está aparecendo após "Salve Jorge!", o cara qualquer hora dessas vai acabar tirando de Ivani Ribeiro o posto de autor com mais novelas produzidas. Sei de sua capacidade, mas ele não tem um descanso pra repor suas energias... Acho arriscado.

Paralelo a esse quebra-cabeça todo, encontramos ótimos autores em horários onde apresentam tramas bem armadas e com repercussão positiva. Maria Adelaide Amaral tem traz um texto delicioso, podado, filtrado, refinado e retocado (não necessariamente nessa ordem). Talvez por isso a autora goste tanto da pesquisa e preferira as minisséries. Porém, as novelas assinadas por ela foram divinas: os remakes de "Anjo mau" e "Ti ti ti", baseadas nos originais de Cassiano Gabus Mendes. Acredito que seu próximo trabalho seja uma novela, mas para o horário das 19h.

Thelma Guedes e Duca Rachid, como se sabem, pretendem escrever uma trama sobre o Buda às 18h. Acho que é isso ou algo do tipo. Talentosas, merecem ir para o horário das 21h, mas só depois que pararem de cair no andar em círculos que permeou a finaleira das três produções assinadas pela dupla: a adaptação de "O profeta" e as inéditas "Cama de gato" e "Cordel encantado". E a Lícia Manzo, nova queridinha do pedaço, tem maturidade para o horário nobre, mas precisa dar um antidepressivo para o seu texto. Entretanto, se a ideia da Globo for uma crônica para suceder "Salve Jorge!", a autora seria a melhor escolha. Porém, não é qualquer um que adentra ao seleto grupo de autores do horário nobre.

Minha ideia seria juntar a Maria Adelaide Amaral com o Walther Negrão às 21h. Seria uma boa dobradinha da dupla, que escreveu "A casa das sete mulheres" em 2003, um sucesso de público e crítica. Afinal de contas, uma novela de Maria Adelaide Amaral às 19h e uma do Walther Negrão às 18h podem esperar. Outra solução seria trazer a dupla Alcides Nogueira e Geraldo Carneiro, que deram um show de qualidade com o remake "O astro". São opções de experiência e qualidade. Melhor que Ricardo Linhares pilotando sozinho o avião das 21h, apesar da experiência que ele carrega desde os tempos que escrevia com Aguinaldo Silva. Mas a Globo deve ir pelo caminho mais fácil para resolver essa questão: Walcyr Carrasco, sinônimo de audiência. E isso só constata o que todos já sabemos: o horário das 21h está engessado há tempos e novas possibilidades para além do Clube do Bolinha que predomina a faixa ainda parece estar distante da realidade.

Mudando de assunto: Hoje na Band temos a volta do CQC. Dessa vez, a trupe de Marcelo Tas tem um concorrente na mesma casa: a turma do Pânico. Mas tudo está amigável e o pessoal ex-RedeTV! estará na bancada, mostrando ao público que não existem rivalidades entre as atrações. Até aí, tranquilo. Já na rival RedeTV!, Rafinha Bastos irá apresentar uma versão brasileira do "Saturday Night Live", formato de sucesso em outros países.